Sobre

O Atelier das Pedras é um espaço de encontros voltado para a formação não-acadêmica em artes visuais. Um local que oferece à comunidade artística o acompanhamento e a orientação de trabalhos artísticos, bem como cursos práticos e teóricos, bate-papos com convidados e workshops de curta duração, e uma biblioteca de artes.

Projetado pelo arquiteto Flávio Kiefer no ano 2000, o Atelier das Pedras foi construído para abrigar o atelier da artista plástica Gisela Waetge. Por 15 anos, Gisela esteve à frente do local, pintando, desenhando e lecionando Quilt & Patchwork para muita gente. A casa foi pensada por Kiefer, desde o princípio, para abrigar estas duas funções.

Um programa muito simples norteou o projeto: no térreo ficaria a oficina de patchwork, o acervo de obras de arte, a copa e serviços; no segundo pavimento um atelier de pintura, quadrado de preferência. O terreno triangular e pequeno pedia uma aproximação com as divisas, matando os ângulos indesejáveis. O segundo pavimento pôde ser solto e livre afirmando a geometria do quadrado desejado. Por ser construído em pedra grês, acabou sendo batizado como Atelier das Pedras.  

Agora, Luísa Kiefer, filha de Gisela e Flávio, traz vida nova ao espaço, sempre pensando em preservar a memória de Gisela e sua generosidade como artista, professora e pessoa. O que era atelier de pintura transforma-se em sala de encontros e compartilhamentos. O acervo da artista, falecida em 2015, segue na casa e está em processo de catalogação, o que permitirá manter vivo o seu legado e a sua trajetória.   

O Atelier das Pedras começa assim uma nova etapa: ser um centro de estudos e formação em arte contemporânea, que possa se estabelecer como uma referência para todos aqueles que fazem parte ou querem ingressar no universo das artes visuais e, também, manter e difundir a vida e a obra de Gisela.

*

Luísa Kiefer é doutora em História, Teoria e Crítica de Arte pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFRGS, mestre pelo mesmo programa e formada em jornalismo pela PUCRS. Realizou estágio de pesquisa no departamento de fotografia da School of Media, Arts & Design da University of Westminster, em Londres. Em 2013, foi assistente de curadoria na 9a Bienal do Mercosul | Porto Alegre. Como curadora independente realizou exposições individuais e coletivas, entre elas: Exercícios para perder de vista, de Letícia Lampert, Galeria Mamute, Porto Alegre, 2017; Gisela Waetge, co-curadoria com Eduardo Veras, Instituto Ling, 2016; Nos contrários as coisas se revelam, de Marcos Fioravante, Galeria Gestual, 2015; Série Morandi, de Fabio Del Re, Espaço Cultural ESPM-Sul, Porto Alegre, 2015; Pretérito Mais-que- perfeito, de Romy Pocztaruk, Galeria Gestual, Porto Alegre, 2014; e Campo Magnético, Fundação Ecarta, Porto Alegre, 2013.